segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Etiqueta do Facebook... sempre bom lembrar.

O Facebook é como se fosse uma conversa pública. É como se houvesse duas ou mais pessoas conversando em um espaço público e você ali do lado, como em um ônibus em que você segue viagem escutando a conversa dos outros mesmo que não queira. Quando presta atenção, você curte algumas coisas, comenta (mentalmente) o assunto e, muitas vezes, quando chega em casa compartilha o que ouviu com um amigo ou parente.
Já pensou se você levantasse no meio do ônibus, se dirigisse aos passageiros que conversam e falasse um textão do quanto discorda do que ele está dizendo. Ele perguntaria rudemente quem o chamou na conversa, enfim, quem pediu sua opinião? E você pensaria: sujeito grosso. Sim. E você é uma pessoa sem noção de se meter em uma conversa para a qual não foi chamado. 
Mas, no Facebook, não é assim. Quando alguém posta alguma coisa que lhe agrada, existe o botão de curtir ou um espaço para um comentário curto ou outra breve observação. Quando a pessoa o marca, é quase uma obrigação reagir, pois é uma mensagem ou pergunta direcionada e fica chato deixar o colega "no vácuo". Deixar sem resposta é que é grosseiro nesses casos. Entretanto, se o que foi postado não lhe agrada e não foi direcionado a você (não o marcaram na postagem) e você entra na conversa é de uma indelicadeza ímpar. É como responder uma pergunta que não lhe foi feita. Mereceria, nesse caso, uma resposta do tipo "amigo, desculpe, mas eu não pedi a sua opinião na minha postagem".. Nossa!! Que grosseria!  Mas essa é a mais pura verdade.
Como toda rede de contatos humanos o Facebook também pede regras de boa convivência. Eu sempre que vejo uma postagem da qual discordo completamente penso 3 coisas: 1. qual é o meu grau de intimidade com a pessoa para que eu possa fazer algum comentário que não pareça uma crítica pessoal? Ou seja, ela me dá intimidade e abertura suficiente para que pondere algo ali no espaço dela? 2. É mesmo relevante que eu comente ou isso só servirá para eu me sentir o cara mais correto do mundo, enfim, serve a todos ou só ao meu ego (só para mostrar o quanto sou "fera nas ideias")? 3. O que isso (meu comentário) vai mudar o contexto geral das coisas (a pessoa têm propensão a pensar no que foi dito)?

Isso é um filtro excelente para se usar e eu o uso sempre.
Sei que existem grupos ideológicos atualmente que assumiram para si (obviamente só detrás de seus teclados) a tarefa messiânica de mudar o mundo para um modelo mais perfeito (sic)... São os guardiões celestiais que tombados sobre a terra travam sua luta do bem (a sua ideologia) contra o mal (todos que pensam diferente) enfim, são uma legião de messias que trazem a boa nova nas suas ideias. Tipo uma nova religião só que mais invasiva do que tudo que se viu até hoje.
A esses, guardar o silêncio é visto como um ato de se omitir à missão que os traz à terra, não se contém e emitem opiniões onde sequer foram convidados...

A esses grupos sempre há o zelo com as 3 perguntas feitas aqui.... e ainda que não funcionem, a ciência está tão avançada... esquizofrenia ideológica nunca é um diagnóstico definitivo. A cura é sempre uma perspectiva real... Chama-se maturidade.


quinta-feira, 4 de agosto de 2016

As Olimpíadas e os conscientes de ocasião

Então, começam as Olimpíadas. Mais uma.. e pensar que há alguns anos, quando aprovaram o Brasil como sede, a gente pensou: Caramba! Mas está longe! Nossa, nem se se vou estar vivo. Mas se você está lendo, a resposta é sim. Você está vivo. Mas cheque o pulso por desencargo de consciência.
O fato é que o evento desde o início já despertou amor e ódio por toda parte. Não temos hospital decente e queremos ter Olimpíadas, não temos segurança, não temos educação de qualidade, o Brasil está quebrado.. Sim tudo isso é bem verdade, mas o que perpassa nessas contraposições ao evento não é uma indignação contra o evento, mas contra o descaso e incompetência administrativa de uma mesma classe política que vem se reelegendo há décadas. Acho que esse indignação deveria ser guardada para as urnas...

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

O médico e a atitude estúpida

Penso que pessoas com dificuldade em interpretação de texto não deveriam ler as linhas a seguir... Não se trata de uma defesa nem do médico nem do José Dirceu...

O que eu acho mais curioso nas redes sociais é o constante desejo de vingança disfarçado de reparação moral (sic). Primeiro, lembro o caso do ex-ministro José Dirceu. O cara tem uma história política e, no final da carreira, quando tudo ia bem, ele deu mole e vazou uma série de sujeiras dele...  Nada estranho ao mundo político, foram coisas como compra de votos e desvio de dinheiro público e outras do gênero. Enfim, ele foi condenado 23 anos (sem contar o tempo de condenação pelo mensalão - mais 10 anos). O cara tem 70 anos, isso significa que ele ficaria preso até 93 anos pelo menos... Eu vi pessoas esbravejando na internet que tinha que mofar na cadeia e morrer lá etc... Considerando que ele deve ter mais uns 10 anos de vida saudável pela frente... é provável que ele fique mais tempo preso do que o tempo que tem de vida. (Aviso de ironia. Sei que não é factual essa afirmativa).

sexta-feira, 29 de julho de 2016

A moça e as vaias - um mundo cada vez mais babaca

Quando digo que chafurdamos em um mar de intolerância (e hipocrisia) nos dias atuais não é exagero. Conheço gente que diz que quem concorda com ele é sensato e consciente, agora, quem discorda é um fascista nojento repulsivo infame que não merece nem ser ouvido. É uma espécie de sub-cidadão de quem se deveria ser destituído qualquer direito a voz. Falei sobre isso no texto anterior (A celebridade e a intolerância). 
Dessa vez, o que me chamou atenção foi o caso da YouTuber/facebooker e atriz Marcela Tavares. Para quem não conhece, ela é atriz, simpática, bonitinha, baixinha, engraçada e tem um jeito histriônico de falar no seu canal...Ela fala gritando e fazendo um escândalo que, para mim, que já virei a casa dos 40, é muito estranho(mas eu assino canal dela...kkk). Mas convenhamos, ela é, boa parte das vezes, bem cômica e tem um público que compra o seu gênero 100%.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

A "celebridade" e a intolerância

"Ergo hypocisis sempre est peccatum mortale."
São Tomas de Aquino

Tempos atrás, houve um assunto nas redes sociais que causou grande “comoção” (Se bem que rede social é reduto de todo tipo de comoção ocasional: as pessoas ficam comovidas, engajadas, postam hashtags, mas em menos de duas semanas retomam sua indiferença e alienação) e não deveria ser levada em conta como referência para nada.
Mas o fato é que o ator Alexandre Frota foi recebido pelo ministro da educação (dia 25 de maio) para apresentar um projeto de escola sem partido.

domingo, 3 de julho de 2016

Consulte seu médico... vai que...

Quem pensa que viver é SER engana-se redondamente. Viver é ESTAR e estar por pouco tempo. Isso é independente de se ter uma visão materialista ou espiritualista. Esta acredita que a vida se prolonga além do corpo, aquela pensa que tudo se acaba com a morte do corpo físico. Entretanto, a vida durante seu período é inexoravelmente ESTAR.
Dito isso, penso que o maior bem que maturidade nos dá é a capacidade de enxergar essa condição. Às vezes, fico vendo pessoas mais novas cultivarem ideologias que alimentam o ódio, a discórdia, a rejeição a quem pensa diferente, o conflito, a doutrinação para formar um legião de propagadores da doutrinas X ou Y. E todo aquele que propõe parar para pensar é visto como uma ameaça ao sonho revolucionário. Vivemos em tempos em que um discurso deve ser assumido como única verdade que liberta. O livre pensar é uma ameaça à ordem.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Meu adorável pleonasmo

(Escrevi este texto tempos atrás e vale a pena ser relido)

As pessoas se horrorizam com expressões como subir para cima, descer para baixo, entrar para dentro e vai por aí. Eu, sinceramente, não me assusto mais com nada. Nada do que é língua, me é estranho, parodio o filósofo.

Outro dia vi um homem furioso que gritava:
- Sai para fora.
Enquanto o outro, escondido dentro de um bar, a última coisa que pensava era no pleonasmo empregado. Ele gostaria até mesmo de ser paradoxal e sai para dentro.

Entretanto, o que ninguém vê é o nosso pleonasmo de cada dia. Aquele que entra e sai de nossas frases sem que a gente se dê conta e dão até uma sensação de que está tudo bem. Vocês já viram estudos sobre o meio ambiente, preservar o meio ambiente, cuidar do meio ambiente... Peraí. E existe algum ambiente que não é meio? Ou um meio que não é ambiente?

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Chinese food... aperte o cintos os cachorros sumiram.

Aprendemos desde pequeno que a gastronomia mais exótica do mundo é a chinesa. Lá, come-se de tudo, cachorro, rato, escorpião, cobras e aranhas (por favor, sem trocadilho)... E se você ficar de mimimi, eles comem você. O fato é que se o sujeito ficar cheio de frescura num país com um bilhão e meio de pessoas no dia seguinte ele entra no menu.
Aí, vez por outra, vem um pesquisador mostrar que a concentração de proteínas em uma lesma crua é superior a de um bife de picanha. Eu tenho curiosidade de saber se alguém leva isso a sério e substitui a picanha na pedra por uma lesma no mármore. Geladinha e crua... Argh!
Os nossos atletas estão tiveram que superar suas restrições alimentares e readaptar-se ao cardápio oriental durante a Olimpíada por lá em 2008. Olimpíada na China é algo mais ou menos como aquele programa que a Globo passava “NO LIMITE”. O cara corre, nada, se esforça e ainda tem que passar pela prova da comida. Só falta o Zeca Camargo fazendo as honras da casa.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Bem aventurados, bêbados e demais passageiros

Parou o ônibus, lotado e só com uns 2 lugares de bobeira.
Você não acha que aquela morena linda que acabou de entrar no ônibus vai sentar do seu lado não, né? Pois é não vai mesmo. Não sentou.
Andou. Parou o ônibus de novo.
Entrou um bebum e uma dona gordinha cheia de bolsa de mercado. Agora sim pode escolher, o seu colega de viagem acabou de chegar. O bêbado não, o bêbado não... você pede com fervor e em silêncio.
Escolhido.
Você foi sorteado com a dona gordinha cheia de pacotes.